sábado, 29 de maio de 2010

Que Deus te abençoe, meu filho!

Você pede a benção aos seus pais antes de dormir ou ao
acordar? Bizarrice ou respeito?


Ao longo de minhas duas décadas de vida, o pedido de benção foi, não obrigatório, mas costumeiro, religioso. Até hoje, mantenho vivo esse costume, que reflete muito mais que uma obrigação cristã, mas uma característica enraizada culturalmente através da família e do meio social onde fui criado.

Evidentemente, no decorrer anos, o hábito vem se tornando impraticável. Desde que desembarquei em São Paulo, raras foram as vezes em que presenciei essa tradição. Bizarro para muitos - especialmente à garota "moderna". Mico para tantos outros. E um costume imprescindível e praticada por muita gente ainda. Muito escutei por aí: “Dar 'bença'? Acha que vou pagar esse mico?”

Acompanhando a rádio Record em uma dessas manhãs, notei que a tradição em pauta neste texto, é mantida pelo Paulo Barboza Filho, repórter da rádio, ao solicitar o “Bença, pai!” ao âncora, Paulo Barboza, que de praxe, dirige o “Que Deus te abençoe, meu filho!”.

A benção, que segundo os livros bíblicos, é "a mão de Deus sobre nós", o seu pedido, seja aos mais velhos, aos pais, ao vizinho, ao amigo, ao parente (até mesmo a alguém que você nem se lembra, mas que te carregou no colo há vinte anos) era até pouco tempo uma tradição viva do povo brasileiro.

Impossível esquecer o "Que Deus te abençoe, meu filho!" – que retrucava, dona Delita, aos 63 anos de idade, todas as noites quando adentrava à sala de aula, em minha época como professor de jovens e adultos na Escola Municipal Rui Barbosa, na Bahia. Enquanto isso, seu Joaquim, no alto de seus 65 anos respondia de maneira distinta à colega: “Que Deus te dê boa sorte!”

Em meu regresso à pequena cidade natal, ao me deparar com os indivíduos aos quais desde moleque estendia a mão solicitando a benção, meus avós, e tantas donas Marias e seus Josés, a prática sadia do pedido solidificava a tradição, ainda mantida em lugares como o que vivi, evidentemente que de forma minimizada se compararmos há décadas. Entretanto, pouco se percebe esse hábito nas cidades grandes.

Mas antes que você se pergunte “pra que diabos pedir a benção?”- esta que é uma indagação comum dos meus primos e amigos da "nova geração", dos que consideram bizarrice ou mico. Mas os mais velhos tinham na ponta da língua, a resposta quando os jovenzinhos ou até mesmo os adultos que não praticam tal costume: “Meu filho, a benção é importante não para quem dá, mas para quem recebe.”


Confesso, que desde que cheguei a São Paulo, basicamente não pratiquei esse hábito sagrado. O que demarca o retrato da perda desse costume, não exclusivamente de minha parte, mas de uma sociedade que não se enxerga mais inserida a esses costumes. Não me recordo quando pedi a benção pela derradeira vez. Aliás, sei sim... à dona Maria, que chegara recentemente da Bahia (até beijinho na mão dela eu dei).



Mas quando pedir a benção?
- ao entrar na casa
- antes de sair
- pela manhã (ao acordar)
- pela noite (quando dormir)

E caso você não peça?
- pode esperar que será visto como o mal educado
- ou que você não respeita aos meus velhos.

HISTÓRIA
A expressão bênção ou abençoar também tem, entre outros, o significado de falar bem de alguém.

No Antigo Testamento, em geral, a bênção refere-se a bem-estar, a segurança e ao bem familiar e essa bênção está expressamente condicionada à obediência aos mandamentos de Deus: "Eis que, hoje, eu ponho diante de vós a bênção e a maldição: a bênção, quando cumprirdes os mandamentos do SENHOR, vosso Deus, que hoje vos ordeno; a maldição, se não cumprirdes os mandamentos do SENHOR, vosso Deus, mas vos desviardes do caminho que hoje vos ordeno, para seguirdes outros deuses que não conhecestes" (Dt 11.26-28).

Para o cristão a bênção é a presença de Jesus na nossa vida, levando-nos para perto de Deus pela ação do Espírito Santo: "Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual em Cristo" (Ef 1.3).

6 comentários:

-Lú Pierson disse...

Pedir a bênção para a nova geração ipod, iphone, etc, inclusive da qual faço parte, soa como algo "velho" ou para os "velhos" ou vindo dos "velhos". Talvez seja. Mas pensar dessa forma é muito pejorativo. Como sugere o objetivo do blog, pedir a bênção é manter uma tradição. Quase como manter um respeito.
É algo tão complexo e profundo, que quase sempre o pedido destina-se a mãe, pai, avós, pessoas que de alguma forma estão presente no caminho e na trilha da nossa vida.
Cidade grande desde quando começou a tornar-se grande sempre de alguma forma massacrou as pessoas, os sentimentos, as cores. As dificuldades, as necessidades e o tempo que só acelera parece passar por cima de todas essas tradições e raízes culturais que modificam-se com essas transformações. Manter costumes não é obrigação e nem deve ser pensada dessa forma, pois aqueles que conviveram durante a vida com esses simples modos de tratamento fazem-o sem perceber.

Daniela Degaki disse...

Minha mãe sempre pedia bença para meu vô e para a minha vó e ela fazia eu pedir também, mas nunca mais ela e eu fizemos isso. Meu vô morreu e minha vó está doente. Isso se perdeu, eu não peço a bença pra minha mãe e acho dificil meus (futuros?) filhos pedirem pra mim ou pra minha mãe.

Ada disse...

Já no meu caso, as responsáveis por dar a benção são minha mãe minha avó. Antes de sair de casa ou quando vou a algum outro lugar e aviso por ceular, a frase "Deus te Abençoe" sempre está presente.

Sabrina disse...

EU NAO AXO QUEM NAO TOMA BENÇA E SEM EDUCAÇAO,NAO GENTE ISSO E SO UMA TRADIÇAO,NAO QUER DIZER SE VC NAO FALAR A PALAVRA BENÇAO QUE VC E MAU EDUCADO,MUITAS PESSOAS TOMAR BENÇAO E NEM SABE O SIGNIFICADO DA PALAVRA BENÇAO,PERDE POR PERDIR OU SAO FORÇADO A PERDIR,E MUITAS PESSOAS PERDIR BENÇAO E NA MESMA HORA ESTA MALTRATANDO A PESSOA QUE ELE PERDIU BENÇA

Angela Kinderman disse...

Depois que alguns pais começaram a abrir mao de seus filhos para fazer qualquer coisa menos tratar bem,não é de ficar surpreso que eles nao queiram pedir ''benção''.

crea1 disse...

na minha juventude sempre pedia benção, mais até aos meus 26 anos fazia isso normalmente e acredito fielmente que Deus envie anjos a pessoas abençoada.hoje tenho dois filhos e o mais velho de uns tempos pra cá parou de pedir . eu acho errado.

Postar um comentário